Warning: include(): open_basedir restriction in effect. File(/84509) is not within the allowed path(s): (/home/sacs2/:/tmp:/opt/remi/php80/root/usr/share:/usr/local/php/8.0/lib/php:/usr/share:/etc/pki/tls/certs:./:/dev/urandom) in /home/sacs2/www/wp-includes/class-wp.php on line 819

Warning: include(/84509): Failed to open stream: Operation not permitted in /home/sacs2/www/wp-includes/class-wp.php on line 819

Warning: include(): Failed opening '/84509' for inclusion (include_path='.:/opt/remi/php80/root/usr/share/pear:/opt/remi/php80/root/usr/share/php:/usr/share/pear:/usr/share/php') in /home/sacs2/www/wp-includes/class-wp.php on line 819
OBJETO TRANSICIONAL - Sac S2

OBJETO TRANSICIONAL

objto transicionalO pediatra e psicanalista Donald Winnicott definiu como Objeto Transicional aquilo que as crianças escolhem para suportar a ausência da mãe, que, num primeiro momento, a substitui. Aquele objeto inseparável e insubstituível, como um paninho, uma boneca, brinquedo ou fraldinha, levado a todo lugar e que, na sua falta, a criança sequer consegue dormir, muitas delas proibindo até de lavá-lo. Porém, para Winnicott, sua função vai além disso. Embora ele tenha valor simbólico, também cumpre um objetivo material ao ser escolhido e definido pelo indivíduo:

O pediatra e psicanalista Donald Winnicott definiu como Objeto Transicional aquilo que as crianças escolhem para suportar a ausência da mãe, que, num primeiro momento, a substitui. Aquele objeto inseparável e insubstituível, como um paninho, uma boneca, brinquedo ou fraldinha, levado a todo lugar e que, na sua falta, a criança sequer consegue dormir, muitas delas proibindo até de lavá-lo. Porém, para Winnicott, sua função vai além disso. Embora ele tenha valor simbólico, também cumpre um objetivo material ao ser escolhido e definido pelo indivíduo:

“É verdade que a ponta do cobertor (ou o que quer que seja) é simbólica de algum objeto parcial, tal como o seio. No entanto, o importante não é tanto seu valor simbólico, mas sua realidade. O fato de ele não ser o seio (ou a mãe), embora real, é tão importante quanto o fato de representar o seio (ou a mãe)”. (Winnicott).

Nos primeiros meses de vida a criança não tem conhecimento de que ela é um todo, uma integridade, de forma que, separar-se da mãe, mesmo que por um curto espaço de tempo, torna-se uma experiência desesperadora. Daí a escolha de um objeto para lidar com essa angústia. Por conta de sua função ele recebe esse nome, pois é uma fase de transição, uma passagem entre a dependência extrema e a relativa, entre o eu e não-eu, entre um estado de ilusão (ser inseparável) e desilusão (ser separável e lidar com isso).

Os objetos transicionais correspondem ao momento de origem do processo de simbolização. Winnicott diferencia os fenômenos primitivos, nos quais, para o bebê, os objetos têm natureza subjetiva, dos fenômenos mais tardios do processo de amadurecimento. Neste momento a criança compreende a integração numa unidade, distinguindo interior e exterior, podendo, portanto, reconhecer e relacionar-se com objetos externos.

Muitas vezes os objetos transicionais não se limitam apenas à infância e encontramos resquícios dele na fase adulta. Os exemplos mais comuns são as músicas que eternizam uma pessoa ou momento, e presentes que guardamos e que fazem emergir a lembrança do ser amado.

E você? Tinha um objeto transicional?

Alessandro Poveda
Psicanalista SAC
(11) 94945-8735
, ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *